Viagens Machu Picchu

Cusco ou Cuzco, também conhecida como “umbigo do mundo”, é a cidade que foi o berço da civilização Inca e a principal do Império do Tawantinsuyo, fundada por Manco Cápac e Mama Ocllo, entre os séculos XI e XII. Por ordem do conquistador espanhol Francisco Pizarro, foi fundada novamente pelos espanhóis no ano de 1534. Em dezembro de 1983 foi nomeada pela UNESCO como Patrimônio Cultural da Humanidade.

Com extensão de 71.892 km², sobre 3.350 metros de altitude, o estado (ou departamento como é chamado no Peru) de Cusco, encontra-se na zona sudeste do país, com divisa ao norte, com Junín e Ucayali; ao sul, com Puno e Arequipa; ao oeste, com Apurímac e Ayacucho; e ao leste, com a planície de Madre de Dios.

O clima de Cusco caracteriza-se por dois períodos definidos, o seco e o úmido, com temperaturas médias que variam de 11ºC, à máxima de 22ºC, dependendo do mês.

Cusco é uma cidade que oferece a seus visitantes uma variedade de atrativos naturais, históricos e culturais. A imensa quantidade de ruínas arqueológicas, museus, igrejas e praças fazem de Cusco, o centro turístico mais importante do Peru. Ela é ponto de referência, e de partida, para conhecer a história do Império Inca que, pode ser aprendida observando seus arredores, como por exemplo, as ruínas de Sacsayhuaman, Qenqo, Tambomachay, Pisac, Ollantaytambo, Moray, Chinchero, Tipon, Pikillaqta e o Santuário de Machu Picchu, uma das Sete Maravilhas do Mundo.

Veja abaixo os pontos turísticos a serem visitados em Cusco.

PRINCIPAIS ATRAÇÕES

Cusco

Catedral Principal de Cusco

A primeira construção espanhola na cidade de Cusco, foi a capela do Triunfo, feita em comemoração à vitória dos espanhóis sobre os indígenas Incas. Ao lado, foi construída a Catedral de Cusco, e o Bispo Vicente Valverde, foi quem mandou construí-la.

A catedral de Cusco possui um estilo gótico renascentista, unido ao barroco cusquenho, construída pelas mãos dos indígenas, no mesmo lugar onde era o palácio Inca Suntur Wasi, levando mais de 100 anos para ser finalizada. Suas três portas sólidas e bem esculpidas, surpreendem, assim como seu interior que ressalta seus esplêndidos altares.

O altar principal é revestido em prata e dedicado à Virgem Asunta ou “de la Asunción”. Todas as coleções de pinturas, quadros, talhados na pedra, madeira e gesso, foram realizadas pela Escola Cusquenha e pelos seus representantes, Diego Quispe Tito, Basilio Santa Cruz Pumacallo e Marcos Zapata.

Entre as obras de destaque, está “A Última Ceia”, a única que exibe, como prato principal, um cuy (porquinho da índia) assado. Aparece também, o Señor de los Temblores (senhor dos tremores ou terremotos) que, segundo os moradores da região, foi o responsável por “acalmar” o terremoto que houve em 1650. Nessa pintura, ele aparece como a representação do Cristo de cor negra que, segundo histórias, foi enviada da Espanha pelo Rei Carlos V.

Cusco

Qoricancha.

Qoricancha é a construção religiosa mais antiga da América Meridional, e seu nome vem da língua quéchua, que significa “recinto de ouro”. Esse recinto foi o principal templo do Deus Sol, e o centro do poder religioso, político e geográfico, dessa civilização, e agora está situada no Convento de Santo Domingo.

Foi um dos templos mais importantes e venerados no Império Inca. Nele, os antigos peruanos rendiam culto ao Deus máximo dos Incas: el Inti (Deus do Sol). Ainda é possível apreciar a incrível arquitetura Inca, muros feitos em pedras maiores, bem talhadas e encaixadas perfeitamente umas às outras.

Cronistas antigos contaram que, cada muro desse local, era coberto de ouro e, foram roubados pelos espanhóis que dominaram essas terras.

Cusco

Igreja e Convento de La Merced
 

A Igreja e Convento de la Merced foi construída no século XVI, sobre um terreno doado por Francisco Pizarro. Sua arquitetura é uma união entre os estilos neoclássico e o barroco cusquenho, com um altar ao centro, de onde pode observar a imagem de Nossa Senhora da Misericórdia. Junto a essa imagem, está a Cruz do Padre Urraca e também do Senhor de Huanca, um santo muito venerado em Cusco.

A Igreja possui um claustro maior feito em pedra, de tal maneira que mais parece madeira talhada. Além disso possui um museu, onde estão expostos alguns quadros e joias. Uma das peças de maior destaque desse museu, é a Custodia da Mercedes, obra que mede 1,2 metros de altura e pesa 22kg; foi elaborada em ouro e pedras preciosas como diamantes, ametistas, esmeraldas e rubis.

Cusco

Templo de San Blas
 

Considerado Patrimônio Cultural da Nação peruana, está localizado na Praça de San Blas (bairro onde é possível encontrar diversos artistas que vendem seus artesanatos). Sua construção em adobe e pedra lavrada, é simples, porém charmosa.

Seu altar é detalhadamente talhado em cedro e folheado a ouro. É nele que está o famoso El Púlpito, peça única, já do período colonial. Entre as pinturas, se destaca a série que representa os milagres e a vida de San Blas, todas obras do pintor Fabián Pérez de Medina.

Cusco

Plaza Principal de Cusco, "Praça de Armas"
 

A maior praça de Cusco é conhecida entre os Incas, como um lugar de encontro e veneração aos mortos, e seu nome original é “Huacaypata”, lugar das penitências. Hoje, é onde se realizam muitas festividades em comemoração a acontecimentos históricos e culturais.                                   

Tanto na época incaica como na colonial, os antigos peruanos realizavam comemorações festivas e religiosas ao Deus Sol, e assim permanece até os dias atuais. Todos os anos, no mês de junho, é celebrada a festa mais popular de Cusco, o Inti Raymi, que traduzido para o português, significa Festa do Sol.

Foi em Cusco que construíram palácios para imperadores Incas como Pachacútec, Huayna Capac, Sinchi Roca, Wiracocha e outros. Em cima destes palácios, os espanhóis ergueram suas principais construções como igrejas, capelas, casas e outras.

Durante a conquista espanhola, foram executados os imperadores Tupac Amaru I e Tupac Amaru II, por suas rebeldias contra esse domínio. O conquistador Francisco Pizarro proclamou a conquista de Cusco, nesta praça é, com a chegada dos espanhóis, tornou-se uma cidade colônia cheia de casarões.

A Praça de Arma é considerada uma das joias de Cusco, por ter um misto de estilos moderno e antigo, formando uma bela paisagem.

Cusco

Mercado San Pedro, "Mercado Municipal da cidade"
 

O Mercado San Pedro foi fundado em 1925, e não teve mudanças significativas desde então, permanecendo o maior centro de abastecimento de alimentos de Cusco. Estar nesse mercado passa uma boa sensação de interação cultural e histórica, com seus costumes, produtos agrícolas andinos, aromas, jeito de viver entre as pessoas e a cultura viva representada em seu idioma, vestimentas e outros.

O mercado municipal de Cusco é um ótimo lugar para fazer compras, tanto de artesanato como têxteis, frutas e produtos andinos como a quinua, kiwicha, maca, batatas, milho, carnes e outros que não poderão ser encontrados em nenhum outro país.

É possível pechinchar os preços, e levar uma boa impressão deste lugar. Sem dúvida, o Mercado Central de San Pedro é uma das melhores paradas para vivenciar a vida cotidiana desse povo.

Recomendações: Não é aconselhável consumir os alimentos que são preparados nesse lugar por causa da higiene e salubridade.

Cusco

Sacsayhuaman, "Recinto Religioso Inca "
 

É um dos mais imponentes conjuntos arquitetônicos deixados pela cultura Inca. E, por suas qualidades singulares, é considerado um dos melhores exemplos da arquitetura antiga. Sacsayhuaman provém de duas palavras quéchuas, Sacsa (satisfeito) e Huaman (falcão). Para alguns cronistas e investigadores, a cidade de Cusco tem a forma de um puma, felino andino, o qual esse parque representa a cabeça desse animal.

Esse complexo arquitetônico cobre grande extensão de terra, e foi cercado por um muro polido de cerca de 400 metros de comprimento, com limites de leste e oeste, marcados por paredes e plataformas.

Anualmente no dia 24 de junho, no solstício de inverno, o local serve como palco para a festa mais popular do Peru, o “Inti Raymi” ou a festa do Sol, cerimônia realizada em agradecimento ao Deus Sol. É uma festa linda, com muitas danças, onde as pessoas usam trajes coloridos, repetindo assim a tradição deixada por seus antepassados.

Turistas do mundo todo chegam para essa festividade. É necessário fazer reserva antecipada, para garantir sua vaga. Entre em contato conosco para mais informações sobre a festa do Sol.

O local, foi declarado pelo Ministério de Cultura, como o principal parque arqueológico por suas características arquitetônicas, possuindo grandes blocos de pedra que chegam a atingir até 9 metros de altura.

Alguns cronistas e pesquisadores afirmam que sua construção levou mais de 50 anos para ser concluída. Foi um lugar religioso com seu início no período do nono governante Inca Yupanqui (pai de Pachacutec).

Cusco

Qenqo, "Recinto de Ceremonia religiosa"
 

Qenqo é uma espécie de fortaleza formada por muros de pedras esculpidas e assentadas com argamassa de barro. Tem a forma de uma caverna, com uma mesa esculpida de pedra, onde os Incas realizavam os sacrifícios para o Deus Sol, em sinal de agradecimento.

O que se destaca mais neste lugar, são as figuras que foram esculpidas na própria rocha na parte de cima da caverna, onde podem ser visualizadas as figuras de um condor, uma serpente e um puma que são os animais representativos da cosmologia andina. Esses animais representam a trilogia andina: Kay Pacha (mundo dos vivos), Uqu Pacha (mundo dos mortos) e Hanaq Pacha (mundo dos espíritos e deuses).

Cusco

Tambomachay, "Famoso Chuveiro Inca"
 

Tambomachay, da língua quéchua, provém de duas palavras, Tampu (alojamento) e Machay (lugar de descanso). No entanto, de acordo com as referências da palavra, Machay também significa “caverna”.

Esse é um monumento que possui grande beleza arquitetônica, com quatro muros bem encaixados simetricamente, e a base, apresenta três terraços paralelos que sustentam toda a construção.

Este, era um centro energético de culto à água, já que veneravam a fonte que tem a forma de uma piscina que, chamam de “banho ñusta”, por ter uma semelhança com a fonte de Ollantaytambo, feita de pedras bem montadas, possuindo um aro esculpido, e canaletas para a drenagem. Aconselhamos levar chapéu e roupa de inverno para realizar este passeio por causa do vento extremamente frio.

Cusco

Puca Pucara
 

O nome Puca Pucara provém de duas palavras quéchuas, Puca (vermelho) e Pukara (fortaleza), que traduzido para o português, significaria Fortaleza Vermelha devido a suas pedras calcárias terem uma coloração avermelhada, resultado de uma composição abundante do ferro.

Situada na borda de uma montanha, alguns cronistas escreveram que era para proteger o imperador Inca durante o tempo em que estivesse em Tambomachay. Sua arquitetura indica que foi um centro militar e de vigilância onde as pessoas que chegavam do Norte para visitar a capital do império, passavam por um estrito controle.

Este lugar é composto por quatro ambientes, sendo duas paredes que suportam os terraços. O que muitas pessoas se perguntam, é sobre a sua forma trapezoidal. Felipe Guamán Poma de Ayala, o famoso cronista mestiço, descreve sobre essa forma e a importância das portas, e menciona ainda que, Puca Pucara, tinha uma porta de três jambas por ser um centro administrativo e de defesa da cidade de Cusco.

Foi reconhecido e denominado pelo Instituto Nacional de Cultura como Patrimônio Cultural de Cusco, e parte do Parque Arqueológico de Sacsayhuaman. Esse local pode ser visitado com o City Tour Arqueológico da cidade, utilizando o boleto turístico que é entregue pela agência.

Siga as indicações da Viagens Machu Picchu, e com tranquilidade e conforto, sua chegada em Cusco, assim como todo o roteiro e outras informações importantes como moeda local, restaurantes, casas de câmbio, compras e outras, serão entregues por nossa equipe.

 

Onde fica

Quer saber mais? Acesse nosso blog e conheça mais sobre este destino.

Acesse