Viagens Machu Picchu

Machu Picchu em Quéchua significa “Velha Montanha”. E é uma das 7 Maravilhas do Mundo moderno. Conhecida por sua beleza contemplativa e misticismo, Machu Picchu está localizado no topo de uma das montanhas da Cordilheira dos Andes, a 2.400 metros de altitude. Conhecer a velha montanha, é entrar em contato visual, físico e histórico de uma civilização rica em cultura e religiosidade. É um local que inspira a meditação e o autoconhecimento a qualquer pessoa que lá chega.

Existem várias formas de chegar a esse lugar tão peculiar, tornando a sua viagem mais ou menos aventurosa. O roteiro tradicional inclui passeios pela cidade de Cusco, disponibilizando um dia para a visita às montanhas de Machu Picchu. E, outros roteiros, pedem mais tempo, já que incluem as trilhas mais famosas do Peru como a Trilha Inca, Trilha Salkantay e outras que dão ainda mais emoção à viagem.

A vista clássica da cidadela antiga dos Incas contempla construções feitas em pedras, colocadas umas sobre as outras, templos e as montanhas Huayna Picchu, a menor, e Machu Picchu, a maior. Conhecer uma das 7 Maravilhas do Mundo é a realização de um sonho, unindo-se à esplendorosa paisagem para os Andes.

Veja abaixo os pontos turísticos a serem visitados em Machu Picchu.

PRINCIPAIS ATRAÇÕES

Machu Picchu

Huayna Picchu

Huayna Picchu ou Wayna Picchu (montanha jovem, em tradução livre do idioma quéchua) está localizada em frente ao Santuario Inca de Machu Picchu a uns 2.667 metros de altitude e é a imagem que se visualiza no fundo das fotos clássicas de Machu Picchu. Este lugar foi utilizado na época dos Incas como um centro de vigilância. Você pode chegar ao topo da montanha usando o caminho do lado esquerdo da montanha, através de uma longa escadaria esculpida na pedra. Do alto se tem uma vista impressionante da cidadela e da cordilheira dos Andes. 

Embora o acesso seja um pouco difícil, depois de chegar ao topo, você poderá dizer que o esforço valeu a pena e aproveitar para tirar as melhores fotos dessa maravilha da natureza.

Duração: A caminhada dura entre 60 e 70 minutos dependendo do estado físico da pessoa.

Para ingressar a este bonito mirante é necessário fazer a reserva com muita antecedência. Recomendamos pelo menos de 3 a 5 meses de antecipação pois sua capacidade máxima é de 400 vagas por dia, divididas em dois grupos de 200 visitantes.

O horário de ingresso para o primeiro grupo é das 07h00 ás 08h00 e para o segundo grupo das 10h00 às 11h00. A subida até o pico não é recomendada para quem tem medo de altura

OBS: Essa opção não é recomendada para os que têm medo as altura.

Machu Picchu

Museu do sítio Manuel Chávez Ballón ou Museu Machu Picchu.
O museu Manuel Chávez Ballón está localizado a quase um quilômetro da cidadela Inca de Machu Picchu.

Foi construído na década de 1960, num bonito local doado por Anita de Fernandini de Naranjo com o propósito de expor, ensinar e transmitir todos os aspectos culturais do parque histórico de Macchu Picchu.

O museu exibe peças de grande importância arqueológica e pequenos jardins botânicos. O horário de funcionamento é de segunda a sábado das 10h00 às 16h00 e o valor do ingresso para estrangeiros é de S/. 20 (vinte novos soles).

Machu Picchu

Sanctuary Lodge antiga Orient Express.

Anteriormente propriedade do famoso grupo Orient Express e localizado a poucos metros da entrada de Machu Picchu, este hotel tem diárias mais elevadas comparadas aos outros hotéis de Águas Calientes.

Os quartos possuem uma visão absolutamente privilegiada para a cidadela Inca. O mais interessante deste local é que oferece almoço buffet para os visitantes do santuário histórico, com pratos típicos e internacionais (não é necessário estar hospedado no hotel para ingressar ao restaurante).

O detalhe é que a refeição também tem seu preço um pouco elevado por ser o único no lugar que dispõe deste tipo de serviço. Se você deseja aproveitar mais da cidadela Inca pode ser uma boa opção para almoçar e ter um breve descanso. O buffet é servido diariamente das 11h00 às 15h30min.

Machu Picchu

Templo do Sol

O Templo do Sol é a construção que possui o melhor acabamento nos blocos de pedra em toda a cidadela de Machu Picchu.

Devido à semelhança na curvatura da parede com o templo de Qoricancha, em Cusco, Bingham deduziu que também seria um templo dedicado ao culto da divindade suprema Inca, Inti, o Deus Sol.

Este templo tem três janelas das quais duas permitem a passagem exata da luz do sol durante o solstício de verão (21 de dezembro) e de inverno (21 de junho), enquanto a terceira mostra perfurações em torno do seu marco, de modo que é chamada de “janela das serpentes”.

Machu Picchu

Intihuatana.

No ponto mais alto da cidadela se encontra uma curiosa rocha esculpida, o Intihuatana (traduzindo do quéchua, Inti, sol e Huatana, onde se amarra ou se conecta).

Durante o solstício de inverno quando o dia mais curto do ano terminava pediam ao deus Sol para não os abandonar, e ao nascer do sol do dia seguinte se iniciava o novo ciclo, com dias mais longos novamente.

Desta forma eles tentavam assegurar a sua permanência no cosmos usando esta pedra esculpida para executar os ritos necessários.

Os incas realizavam cultos relacionados aos períodos agrícolas com cerimônias em que os conhecimentos astronômicos sofisticados e engenharia civil estavam unidos com suas crenças religiosas.

O Intihuatana foi entalhado criando níveis de diferentes lados e um eixo central que sobressai da sua parte superior. Os níveis representam os espaços religiosos Incas, como o Templo do Sol (na parte inferior).

O poste que se eleva sobre a rocha foi talhado tomando em conta medidas astronômicas que permitem a luz solar coincidir com um lado diferente a cada estação do ano, sendo considerado também uma espécie de “relógio solar”. A elevação do poste também pode relacionar-se com os picos das montanhas que para os incas tinham carácter sagrado (Apus).

Machu Picchu

Templo do Condor.

O Templo do Condor está localizado na área urbana oriental do Santuário Histórico de Machu Picchu e seu nome é dado pela semelhança que a construção tem com a ave.

Parece que neste lugar funcionavam as celas de castigo de Machu Picchu, pois no interior do edifício há um calabouço que representaria as asas do pássaro, uma série de janelas que se parecem com altares, com aberturas nas paredes laterais.

O condor era uma ave sagrada para os Incas, uma divindade que adoraram em todo o Tahuantinsuyu (o império dos quatro cantos do mundo, em tradução livre do idioma quéchua). Como esta ave come carniça, é provável que se realizassem sacrifícios para honrá-la, oferecendo os cadáveres dos seus adversários que poderiam ter sido torturados e depois eliminados nesta área, segundo estudos que tentam explicar a função do edifício.
Veja nossos pacotes para Machu Picchu

 

Onde fica

Quer saber mais? Acesse nosso blog e conheça mais sobre este destino.

Acesse