Viagens Machu Picchu

O Vale Sagrado dos Incas é formado pelo Rio Urubamba, unindo-se aos complexos arqueológicos de Pisac e Ollantaytambo, que por sua vez fazem parte de um caminho natural que leva a Machu Picchu. Os Incas atribuíram a este vale, um caráter sagrado, devido aos seus astrônomos e sacerdotes terem afirmado que o vale, era uma projeção da Via Láctea, onde se encontravam as constelações sagradas para essa civilização, como a lhama e o condor, animais sagrados da ideología Inca.

Na verdade, o Vale Sagrado dos Incas concentra muita energia e sua geografia exuberante, proporciona um toque mágico ao cenário que os Incas construíram neste lugar. Os complexos de Pisac e Ollantaytambo não eram apenas locais de adoração, mas lugares chave na organização política e religiosa do vasto Império Inca, o Tahuantinsuyu. A produção agrícola neste vale, tinha um caráter mais ritualístico que funcional, os seus habitantes e agricultores foram selecionados para ter o privilégio de se estabelecerem neste lugar.

Veja abaixo os pontos turísticos a serem visitados em Vale Sagrado dos Incas.

PRINCIPAIS ATRAÇÕES

Vale Sagrado dos Incas | Guia de Viagem | Machu Picchu Cusco

Ollantaytambo.

Está localizada ao norte de Cusco, no outro extremo do Vale Sagrado, perto de Machu Picchu. Seu significado é dado por um substantivo composto no idioma quéchua: “Ollanta”, nome de um soldado mítico que serviu nas tropas do Inca Pachacutec, e queçou notori alcanedade quando se apaixonou pela filha deste imperador, e, “Tambo”, que significa “lugar de descansando”.

Era um complexo de grande importância para o governo Inca, por estar perto da selva. Selva essa que sempre foi temida pelos Incas e por isso, não foram muitos os que conseguiram conquistá-la. Dessa selva, vieram muitos recursos alimentares para Cusco, tais como frutas e produtos agrícolas, assim como aves exóticas que tinham suas penas usadas como enfeite para a roupa real. Ollantaytambo concentrou um grande exército, além de servir como palácio onde as autoridades Incas podiam negociar e até mesmo entreter os hierarcas da Amazônia.
Estas hipóteses se sustentam na configuração encontrada no local, com vários quartos para a estadia dos soldados, a hierarquia militar, políticos e religiosos, recintos reservados às mulheres escolhidas (Aclla Wasi) e grandes salas de armazenamento de alimentos estrategicamente resguardadas.
A grande dimensão das rochas utilizadas na construção deste complexo surpreende. Elas vinham de pedreiras localizadas do outro lado do vale, na margem oposta, a vários quilômetros de distância. A questão do transporte dessas pedras ainda não tem uma resposta contundente, mas se crê que foi realizado com a utilização de rampas.

Vale Sagrado dos Incas | Guia de Viagem | Machu Picchu Cusco

Moray.

Moray está localizado a nordeste da cidade de Maras, e está formado por quatro plataformas circulares concêntricas de baixo para cima. Não se sabe exatamente quando as plataformas foram feitas, mas presume-se que foram feitas pelos Incas (únicas com esse formato no Peru).

É um grande projeto de engenharia e sua utilidade é ainda mais surpreendente, uma vez que foram utilizados como experiência para novas variedades de produtos agrícolas com o objetivo de torná-los mais resistentes ao tempo. Usavam seus conhecimentos astronômicos e a tecnologia de irrigação, para controlar o clima, a altitude, a umidade e a temperatura locais. Os vários pisos ecológicos que criam os terraços abaixo do nível do solo, permitiu a criação de diversos microclimas.

Alguns cronistas e investigadores chamam de Laboratorio agricola Inca.

Vale Sagrado dos Incas | Guia de Viagem | Machu Picchu Cusco

Salineiras de Maras.

Maras Moray e as Salineiras são compostas por aproximadamente três mil poças pequenas com uma média de cinco metros quadrados de água, de um canal subterrâneo. Essa água fica exposta para a evaporação, deixando seu sal se cristalizar, para a extração de uns 70% do cloreto de sódio. O sal serve como fonte de renda para os moradores do povoado de Maras e arredores, desde o tempo dos Incas, até os dias atuais. A salineira abastece toda a população de Cusco e também é exportado para todo o mundo, utilizado pelos melhores chefs de cozinha internacionais.

A sal também é aproveitando para o consumo dos aninamais principalmente do boi.

Vale Sagrado dos Incas | Guia de Viagem | Machu Picchu Cusco

Chinchero.

É conhecida como “cidade do arco-íris”, com a população mais típica do Vale Sagrado, sendo a mais próxima dos Incas, mesmo com a imposição da cultura espanhola por parte dos conquistadores europeus.
Os moradores vivem em construções típicas e mantêm seus costumes tanto têxteis como agrícolas, assim como suas vestimentas tradicionalmente coloridas. Eles mantêm um costume, o qual todos os domingos, saem das respectivas comunidades para se encontrar na praça principal e negociar seus diferentes produtos (escambo).

Na bela e colorida feira de Chinchero, também é possível encontrar objetos domésticos, sendo alguns muito antigos, como os que são usados na produção de roupas. Já nas oficinas das associações artesanais, diariamente é possível apreciar todo o processo de produção, começando pela lavagem da lã, seu tingimento e seu tecer.
Outro ponto turístico importante da cidade é a igreja de Nossa Senhora de Monserrat, que foi levantada sobre o Palácio de Tupac Yupanqui em 1607, construída com o objetivo de representar a vitória sobre os nativos. Seu altar mor foi talhado ao estilo barroco, folheado a ouro.

Vale Sagrado dos Incas | Guia de Viagem | Machu Picchu Cusco

Pisac.

Pisac foi construída na área de Yucay do lado direito do rio Urubamba. Seu nome está associado com um pássaro que habitava a área, era parecido com uma perdiz, mas que hoje, já se encontra extinto.
Todo o complexo de Pisac está dividido em três partes: a militar, formada por uma espécie de quartel; a religiosa, composta pelo santuário e pelo Templo do Sol; e a residencial, com as casas do povo escolhido do lugar. A cidade é composta por cerca de 20 edifícios, em formas semicirculares colocados ao longo da borda da montanha.

As construções de uso militar e a fortaleza, foram construídas sobre o topo da segunda parte da montanha, precisamente em uma localização estratégica que permitia a observação completa do vale. Suas paredes são grossas e curvadas para dentro, e o fato de estarem em uma rocha natural, com mais de 200 metros de comprimento, proporciona uma vista incrível.
O santuário está na primeira subida da montanha, e tem sete recintos de pedra finamente polida. Ao centro está o Intihuatana, o principal templo ou santuário Inca, dedicado ao Sol, cuja visão leva para as profundezas do Vale Sagrado dos Incas. Seu acabamento arquitetônico é de qualidade inferior em comparação por exemplo, a outros templos Incas como o Qoricancha em Cusco, a capital do Império.

Onde fica